Ninguém escapa! Nossa condição humana, nossos relacionamentos, nossos sonhos interrompidos ou não realizados, nossas escolhas erradas e nossa pouca fé sempre gera em nossa alma uma dor profunda. Com isso entramos na dinâmica do sofrimento, da dor e da angústia. Por vezes o sofrimento é incompreensível e aparentemente sem razões, não entendemos porque pessoas boas morrem, porque doenças graves e terríveis atingem quem sempre ajudou a todos e rezava tanto... Em síntese, o sofrimento parece a alguns, ser um argumento contra o poder ou a bondade de Deus.

 Sabemos que Deus não é, nem pode ser, o autor de algum mal; mas Ele permite em respeito a nossa liberdade, que as criaturas, limitadas como são, cometam males físicos e morais. E assim se encarrega de tirar dos males produzidos pelas criaturas bens ainda maiores. E com o tempo isto é evidente!

Gostaria de citar o exemplo de uma grande amiga minha: Santa Bakhita!

Nasceu em 1869, no Sudão, África, região de Darfur, aldeia de Olgossa. Nascida numa família numerosa, entre seus 7 e 9 anos de idade, foi raptada e feita escrava por dois árabes que lhe deram o nome de Bakhita que em árabe quer dizer "afortunada".

Tempos depois foi vendida a um general turco, sua esposa marcou Bakhita e outras escravas com tatuagens feitas com navalhas, e depois esfregava sal para as feridas ficarem bem abertas. Sem receberem nenhum tratamento, as escravas se contorciam de dores, mergulhadas numa poça de sangue. Bakhita recebeu 114 cortes no peito, no ventre e nos braços.

Passando por inumeráveis e indizíveis sofrimentos e torturas, Bakhita é vendida inúmeras outras vezes até chegar a Itália. Lá conhece o amor de Deus e Jesus Cristo! Seu sofrimento passa a ter sentido.

Bakhita permaneceu na Itália onde com muito custo entra para a vida religiosa e tornar-se uma mulher livre!  No seu Batismo recebeu o nome de Josefina Margarida Bakhita, como um símbolo de sua nova vida.

Bakhita é exemplo de que o amor cura todas as feridas. Penso que ela teria todos os motivos para ser vítima de sua história, para não crer que Deus a amava e estava com ela! Porém, ela foi além... Não parou na dor, não parou na morte! Fez de todo sofrimento oportunidade de ser livre, de crescer, de acreditar e de recomeçar!

Será que os nossos problemas são maiores do que foram os dela?

Concluo com suas palavras:

"Se tivesse hoje a oportunidade de encontrar os mercadores de escravos que me capturaram e até mesmo aqueles que me torturaram, eu ajoelharia e beijaria suas mãos, pois se isto não tivesse acontecido, eu, hoje, não seria cristã e feliz!"