Paz e Unidade!

Obviamente não é fácil conviver com pessoas complicadas. Ainda mais quando na maioria das vezes a convivência com elas não são escolhas nossas, como por exemplo no ambiente profissional ou até mesmos os parentes de um namorado ou de uma esposa. Não podemos mudar o ambiente de convívio e não podemos mudar a pessoa, então o que fazer? Certamente o segredo seja colocar-se no lugar do outro usando a máxima do evangelho: Não fazer aos outros o que você não gostaria que fizessem a você. 

 

Sei que isso pode nos irritar ainda mais. Porém mesmo que alguém seja “mau” com você, continue sendo bom. O que os outros fazem de errado não pode mudar nosso desejo de bondade, amar e de viver bem. Não paguemos o mal com mal, mas sim o mal com o bem. Pois nossa bondade, o bem que buscamos viver não pode depender dos outros, mas da nossa decisão. Por isso, este exercício, com o tempo criará em nós uma disposição a compreender o comportamento do outro, mesmo não aceitando. E mais que isso nos libertará das consequências destruidoras das atitudes erradas e por vezes maldosas e propositais daqueles que nos testam diariamente com sua astucia, sua arrogância e seu egoísmo. 

Ao fazermos isso, veremos que quem mais precisa de compaixão, amor e até orações são aqueles que mais nos fazem mal. Sim! Quem quer nos matar, morto já está. Quem quer nos roubar, roubado já foi. Quem fala mal de nós, nada de bom de si tem para falar. 

Assim, mesmo diante das injustiças, sigamos nossa vida não nos igualando aos que nos feriram. Sejamos bondade, sejamos perdão, sejamos Cristo que passa na vida do outro. E tudo isso com pequenas atitudes quotidianas. 

Pode não parecer de imediato, mas isso fará toda diferença em sua vida. 

Um abraço cheio do amor de Deus,
Ir. Rodrigo Dias, cdp