Neste domingo, 20 de novembro, às 5 horas da manhã, faleceu, em Franca (SP), dom Diógenes Silva Matthes, bispo emérito da diocese, aos 85 anos de idade.

Padre Célio Adriano Cintra, chanceler da diocese, que assina a nota de falecimento, afirma que “a diocese de Franca louva e agradece a Deus por sua longa vida que ficará indelevelmente marcada entre nós e na história da diocese por suas grandes obras em favor do Evangelho e da Igreja Particular de Franca”.

Dom Diógenes nasceu em 12 de outubro de de 1931 na cidade de Caconde (SP). Foi ordenado padre em 1957 e bispo em 11 de março de 1971.  Segundo o site GCN, de Franca, dom Diógenes foi o “responsável pela ordenação da maioria dos padres da diocese (ele contabilizava mais de 70) e pela criação da maior parte das paróquias”. Também partiu de dom Diógenes “a divulgação da devoção à Santa Gianna, que, por meio de um milagre operado em Franca, possibilitou sua canonização em Roma”. 

A nota da diocese manifesta pesar pelo falecimento. “Manifestamos aos familiares nossos sentimentos de pesar e dor pelo passamento desse Servo do Senhor que, agora, é chamado a viver em plenitude a vida dos justos. Seja conforto e consolo a fé na Ressurreição e na Vida Eterna dadas pelo Cristo aos que Nele creem como dom Diógenes sempre testemunhou e pregou”.

O corpo está sendo velado na catedral de Franca e haverá celebração da Santa Missa de corpo presente às 17h e 19h. O sepultamento será realizado na segunda-feira, 21 de novembro, após a missa das 10h.

 

 

Nota de pesar da CNBB pelo falecimento de Dom Diógenes Silva Matthes

 

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) recebeu, com grande pesar, a notícia do falecimento de dom Diógenes Silva Matthes, bispo emérito de Franca (SP), neste domingo, 20 de novembro. Enviamos nosso abraço fraterno aos familiares, a dom Paulo Roberto Beloto e a todos os membros das comunidades da Diocese.

 

Dom Diógenes deixa-nos uma história pessoal de especial significado. 85 anos de vida, sendo 59 como padre e 45 como bispo. Seu lema episcopal foi uma recordação de alegria permanente: “Amados no Senhor”.  Essa lembrança remete atenção especial à Palavra do Papa Francisco na Encíclica Evangelii Gaudium: “A Igreja deve ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos podem se sentir acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho” (n.114).

 

Em preces, suplicamos ao Pai Misericordioso que acolha este nosso irmão e faça brilhar para ele a luz eterna: “E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais” (Jo 11,26).

 

Em Cristo,

 

 

Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília-DF

Secretário-Geral da CNBB

 

Seu comentário é muito importante para nós