O Papa Francisco presidiu nesta quarta-feira, 5, a abertura do primeiro Encontro Mundial “Esporte e Fé”, realizado no Vaticano. No discurso, alertou sobre manipulação e exploração comercial do esporte e pediu condições dignas de acesso a práticas esportivas.

Com o tema “Esporte a serviço da humanidade”, o evento é promovido pelo Pontifício Conselho da Cultura, tendo como principais apoiadores as Nações Unidas e o Comitê Olímpico Internacional. O secretário-geral da ONU, Ban ki-monn, e o presidente do Comitê Olímpico, Thomas Bach, participaram da cerimônia de abertura, bem como autoridades e delegados de outras comunidades religiosas.

Francisco recordou que uma característica importante do esporte é o fato de que não é uma atividade reservada a grandes atletas; há também o esporte amador, recreativo, que não é destinado à competição. Também nessas circunstâncias, o esporte ajuda a melhorar a saúde, a aprender trabalhar em equipe, saber vencer e saber perder.

Tão importante quanto é o esforço pela inclusão através do esporte. Nesse ponto, o Papa citou o movimento paralímpico e outras associações esportivas que apoiam pessoas portadoras de alguma deficiência.

Esporte com dignidade

O Santo Padre também recordou em seu discurso a realidade de tantas crianças e jovens que vivem às margens da sociedade, que jogam futebol com uma bola murcha ou feita de trapos nos subúrbios das cidades. “Quero encorajar todos – instituições, sociedades esportivas, realidades educativas e sociais, comunidades religiosas – a trabalhar juntos a fim de que essas crianças possam ter acesso ao esporte em condições dignas, especialmente aquelas que são excluídas disso por causa da pobreza”.

O Papa destacou também o desafio de manter a autenticidade do esporte, protegendo-o de manipulações e exploração comercial. “No esporte, como na vida, é importante lutar pelo resultado, mas jogar bem e com lealdade é ainda mais importante!”, disse.

Nesse momento, deixou seu agradecimento pelos esforços a fim de erradicar toda forma de corrupção e de manipulação, a exemplo de uma campanha guiada pela ONU para lutar contra o câncer da corrupção em todos os âmbitos da sociedade.

“Desejo que estes dias de encontro e de reflexão permitam a vocês explorar melhor o bem que o esporte e a fé podem trazer à nossa sociedade”, concluiu Francisco.