Nessas linhas que seguem vamos refletir sobre o sacramento da Eucaristia e a sua relação com a comunidade cristã como vínculo fulcral de unidade.

O primeiro relato que encontramos no novo testamento sobre a Eucaristia é da carta de São Paulo à comunidade de Corinto "Irmãos, recebi do Senhor os ensinamentos que, por meu lado, vos transmiti: ou seja, que o Senhor Jesus, na noite em que foi entregue, tomou um pedaço de pão, deu graças a Deus, partiu-o e disse: «Isto é o meu corpo, entregue por vós. Fazei isto em minha memória". Do mesmo modo, depois da ceia, tomou o cálice e disse: «Este é a nova aliança de Deus selada com o meu sangue. Sempre que dele beberdes, fazei-o em minha memória». Isto significa que, sempre que comerdes este pão e beberdes deste cálice, proclamareis a morte do Senhor até Ele vir". 

Este relato paulino nos insere justamente no contexto da ceia pascal no qual Cristo é o centro do acontecimento fazendo-se ao mesmo tempo, altar, sacerdote e cordeiro. É ao redor da mesa pascal que os seguidores de Jesus encontram as luzes, para serem lançadas nas sombras do mundo relativista que vivemos.

Podemos correr o risco de cair no fluxo da sociedade pós-moderna que leva cada um a individualizar sua experiência de Deus tornando-a subjetiva e relativa. Na Eucaristia temos possibilidade de mudar essa maneira de olhar a realidade, pois este sacramento sempre figura Jesus e seus amigos reunidos na ceia, ou seja, um encontro fraterno que torna-se modelo para nós contra todo o individualismo.

Olhar a Eucaristia como possibilidade de estreitar nosso relacionamento com Jesus e com os irmãos é o caminho mais curto para eliminar em nós toda forma de divisão. A Eucaristia sempre nos convoca à unidade. Falando em unidade devemos tomar consciência de que ela é construída com o esforço de cada um, porém com um diferencial, a presença de Jesus vivo na comunidade, fazendo com que tenhamos em nós os seus sentimentos, nos tornando a Igreja – corpo de Cristo, sinal brilhantíssimo de unidade para o mundo.

Assim sendo participar da Eucaristia, é querer ser para o mundo ponte que une tudo aquilo que está divido. Onde houver divisões que nós povo eucarístico sejamos o elo forte de unidade e para concluir cito o Beato Papa João Paulo II em sua Encíclica Eclésia de Eucharistia "o dom de Cristo e do seu Espírito, que recebemos na comunhão eucarística, realiza plena e sobre abundantemente os anseios de unidade fraterna que vivem no coração humano e ao mesmo tempo eleva esta experiência de fraternidade, que é a participação comum na mesma mesa eucarística" (EE, 24)

 

Por  Luis Fernando Silva, seminarista da Diocese de São João da Boa Vista