Convocado por Bento XVI o Ano da Fé "é um convite para uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo" (Porta Fidei, 6).

O Ano da Fé inicia-se a 11 de outubro de 2012 e terminará a 24 de novembro de 2013. Essas datas foram escolhidas por terem um especial significado na história da Igreja, uma vez que em 11 de outubro coincidem dois aniversários: o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II e o 20º aniversário da promulgação do Catecismo da Igreja Católica. O encerramento, em 24 de novembro, será a solenidade de Cristo Rei.

Ao convocar o Ano da Fé para todos os fiéis católicos, Bento XVI chama nossa atenção ao fato de que "no passado era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, mas hoje parece que já não é assim em grandes setores da sociedade, devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas". Por isso, o Papa convida para uma "autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo". O objetivo principal deste ano é que cada cristão "possa redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo". Os meios para atingir os objetivos desse Ano baseiam-se no seguinte:

Intensificar a celebração da fé na liturgia, especialmente na Eucaristia; dar testemunho da própria fé; e redescobrir os conteúdos da própria fé, expostos principalmente no Catecismo.

A intenção é que o alcance seja universal. "Teremos oportunidade de confessar a fé no Senhor Ressuscitado nas nossas catedrais e nas igrejas do mundo inteiro, nas nossas casas e no meio das nossas famílias, para que cada um sinta fortemente a exigência de conhecer melhor e de transmitir às gerações futuras a fé de sempre. Neste Ano, tanto as comunidades religiosas como as comunidades paroquiais e todas as realidades eclesiais, antigas e novas, encontrarão forma de fazer publicamente profissão do Credo".(Bento XVI)

É necessário que todos nós nos interessemos por esse assunto, se realmente queremos estar em unidade com nossa Santa Igreja. Por isso, recomendo uma leitura mais aprofundada sobre o tema, sobre os meios de se alcançarem os objetivos propostos pelo Santo Padre.

Por Sonia Castoldi, misisonária da Comunidade Deus Proverá