Partindo do princípio de que viemos do pó e que para o pó retornaremos, convido você a refletir:

Quando tomarmos consciência de que não estamos aqui neste mundo por um mero acaso, mas em busca de algo muito maior, a eternidade, vamos entender que para conseguir esse objetivo temos que sair de nós mesmos, ou seja, temos que sair do barro que estamos para nos tornar lindos e preciosos vasos.

Para isto alguém que nos ama tanto, que foi até capaz de deixar seu único e amado filho ser crucificado por nós, se faz oleiro e vem nos moldar.

É claro que para isto o barro precisa passar por um processo, pois o barro quando é barro, é só barro! Mas, se colocado de molho ganha consistência, depois é pisoteado para que saiam todas as bolhas, só então poderá ser modelado e levado ao forno para se fortalecer.

Assim somos nós. Ficamos de molho na vida, nadamos de um lado para o outro em meio as nossas teimosias, orgulho e egocentrismo, vêm as dificuldades, nos sentimos pesados, dói para sairem as bolhas, mesmo assim relutamos achando que depende de nós ou do mundo moderno, a solução.

Só quando tomamos consciência de que é preciso se entregar nas mãos do oleiro para sermos moldados é que nos sentimos fortes e prontos para irmos para o forno, mas ainda assim, às vezes recaímos em nossa teimosia e o vaso que já estava quase pronto quebra, e é preciso retornar o processo.

 

Por Rosângela Almodova, missionária da Comunidade Deus Proverá

Seu comentário é muito importante para nós