É chegado o final de mais um ano, momento de parar e fazer reflexões de como  vivemos o ano que passou, será que cumprimos com o planejamento que fizemos no ano passado?

Algumas coisas fizemos,  outras passaram despercebidas, algumas temos protelado há anos e ainda não conseguimos cumprir... 

Não cumprimos porque atropelamos as coisas, vivemos no automático,  não olhamos para dentro de nós, temos sede de sermos felizes. Mas onde mesmo mora a Dona Felicidade? Dentro de nós! É lá que ela mora. Mas, como fugimos de nós mesmos, não a encontramos!

Esta época é propícia para um momento de reciclagem: perdoar e amar a si mesmo e também perdoar  a família, aquela pessoa que mais te ofendeu, o mundo, a vida...

A falta de perdão é a maior pedra de tropeço que podemos encontrar e impede o caminho da felicidade.

Em uma de suas reflexões o Papa Francisco falou que: “ o perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e alforria do coração. Quem não  perdoa, não tem paz na alma, nem comunhão com Deus. A mágoa é um veneno que intoxica e mata. Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente “Como podemos ver, a falta de perdão nos mata aos poucos, nos faz pessoas amargas, tristes, vingativas, invejosas, ciumentas, orgulhosas e infelizes.

Perdoar não é fácil, ainda mais quando temos certeza de que estamos certos, mas será que em meio ao ódio e  mágoa existe certo ou errado? 

Perdão não é um sentimento, mas uma atitude, um  mover-se. É a atitude de sair de si mesmo, deixar de lado o desejo de vingança e auto piedade e perceber que por detrás do mal que vemos no outro esconde-se um ser humano, uma história. E tal como Jesus nos dá uma nova chance ao amanhecer de cada novo dia, devemos nós também dar uma nova oportunidade para o outro e para nós mesmos... Não apenas uma, mas tantas quantas forem necessárias, não porque somos bons, mas porque não sabemos se teremos outro final de ano para buscar a felicidade escondida.

Ame a vida e faça dela um trampolim para a felicidade. O amanhã pode não existir e o peso da mágoa pode nos impedir e pesar na caminhada da vida, uma vez que nada levamos quando morremos, exceto o amor que aqui doamos e recebemos.

Por Rosângela Almodova, missionária da Comunidade Deus Proverá


Seu comentário é muito importante para nós